Manuscript with arrow icon Book and magnifying glass icon Cross-check icon Process checklist icon Reputation ribbon icon Graduation cap icon Question speech bubble icon Headset call icon Mobile phone call icon Login arrow icon B+ Paper Icon Becoming B+ Paper Icon Checkmark Paper Icon Feedback Speech Bubble Icon Feedback Double Speech Bubble Icon Similarity Check Icon Professional Development Icon Admin Training Icon Instructor Training Icon Student Training Icon Integrations Icon System Status Icon System Requirements Icon Menu Icon Checkmark Icon Download Icon Rubric Icon Prompt Icon QuickMark Set Icon Lesson Plan Icon Success Story Icon Infographic Icon White Paper Icon White Paper Icon Press Release Icon News Story Icon Event Icon Webcast Icon Video Icon Envelope Icon Plaque Icon Lightbulb Icon Insights Lightbulb Icon Training Icon Search Icon User Icon Privacy Icon Instructor Icon Instructor-1 Icon Investigator Icon Admin Icon Student Icon Voice Grammar Icon Turnitin Logo (Text and Icon) Icon Facebook Icon Twitter Icon LinkedIn Icon Google Plus Icon Lightbulb Icon Binoculars Icon Drama Masks Icon Magnifying Glass Icon Signal Check Indicator Bars Red Flag Icon Analysis and Organization Icon
Agende uma consulta

O caso de pl√°gio no Enem aconteceu em Salvador/BA. Como amplamente divulgado pela imprensa, um aluno teria copiado a sinopse inteira de um livro na reda√ß√£o, que aparece no segundo dia de provas. O tema sobre o qual os alunos tinham de dissertar era educa√ß√£o para surdos - assunto dif√≠cil, como de costume no Enem, e que exige solu√ß√Ķes criativas e muita reflex√£o para inclus√£o na educa√ß√£o daqueles que, hoje, ainda ficam de fora.

O pl√°gio no exame nacional √© a ponta de um iceberg maior e mais profundo do que sequer imaginamos. Nossos alunos n√£o s√£o treinados para a escrita original, para desenvolver ideias criativas, para pensar em solu√ß√Ķes e para concatenar as propostas em frases e par√°grafos que fa√ßam sentido e que conven√ßam o leitor. Sem essa habilidade, considerada essencial para o s√©culo 21 pela maioria dos especialistas, muitos acabam se valendo da c√≥pia de trechos ou de textos inteiros - como aconteceu, ilicitamente, em Salvador.

Por sorte, um dos corretores da prova plagiada tinha lido recentemente a obra copiada e provavelmente se recordava de trechos. Deve ter consultado a internet e chegou ao veredito: era uma c√≥pia. √Č assim que a maioria dos professores no pa√≠s ainda identifica trechos de pl√°gio nos trabalhos dos alunos. Esfor√ßam-se, muitas vezes inutilmente, para tentar trazer da mem√≥ria trechos que possam ter sido copiados; buscam na internet partes do texto que est√£o exageradamente bem escritas, que destoam do restante do material ou que parecem ter sido traduzidas. Nesse esfor√ßo exaustivo, algumas vezes encontram a c√≥pia, outras n√£o.

Se o corretor n√£o tivesse conhecimento da obra em quest√£o, e sem tecnologia que ajude a identificar o pl√°gio na corre√ß√£o do Enem, o aluno de Salvador teria passado com boa nota? O governo j√° usa tecnologia na corre√ß√£o das quest√Ķes da prova - √© a chamada TRI, que identifica o padr√£o do aluno e d√° menos pontos para quest√Ķes que foram ‚Äúchutadas‚ÄĚ, por exemplo. Assim, a nota no Enem nunca √© proporcional ao n√ļmero de acertos - e pode passar de mil pontos.